quarta-feira, 13 de julho de 2011

Evitando a fadiga

Esse tal twitter me deprimiu, era muita informação sobre a vida alheia, quando nem ao menos as informações da minha eu conseguia administrar. O orkut me cansou, é muita manutenção para parecer interessante, msn eu só uso para mandar noticias para a minha familia que ficou em Marte quando eu me mudei, Facebook é uma da maiores bizarrices à qual já fui apresentada, ou você vai dizer que acha bacana e entende perfeitamente o “cutucar fulano” do face. O que me resta é voltar ao meu bom e velho blog, minha bolha sem nenhuma pretensão.

Assim, como acontece com a maioria das pessoas na minha vida, se não for muito bom eu pego nojo, me afasto e excluo a conta. É engraçado como as pessoas de inicio se mostram tao bacanas e cheias de boas intenções como esses sites de relacionamento. Todo mundo chega com o mesmo discurso prontinho “de passatempo perfeito”, mas no fundo é tudo um jogo de sedução, no fim 96,4 % das pessoas que eu conheci não são compativeis com a minha personalidade, são quebra cabeças de outros jogos e enfim, não se encaixam.

As pessoas deveriam ser apresentadas com uma minuta breve, se você curti a sintese, logo é bem provavel que vai ler o resto do livro. Sem essa coisa de perder tempo, praticidade nas relações pelo amor de Deus, evitaria a fadiga.

A gente já perde tanto tempo nessa vida com bobagens, como trabalhar, ir a faculdade, frequentar uma academia, fazer média em festinha de aniversário dos parentes, perder tempo com pseudo- amizades eu tô dispensando também.

Por sorte, só modo de falar porque como já escrevi muitas vezes essas coisas de sorte, azar, praga, só são desculpas. Retomando, para minha sorte tem gente de qualidade por aí, fina safra, gente bacana que escolhe se preocupar somente com sua vida, seus amores e suas escolhas, e por isso mesmo se torna naturalmente interessante, não pelo auto marketing pessoal e sim, pela despretensão de “valorizar” seu produto.

Com o passar do tempo, venho me dando ao luxo de só conviver com gente do bem, da melhor espécie, da maneira que mais se adequa aquilo que me parece correto. Já perdi muito tempo com gente que me emburreceu, me tirou o equilibrio, me levou um pouco do bom humor habitual e do otimismo necessário. Hoje, em dia eu guardo o meu melhor, só para os melhores.

Aquela velha história de decorar o jardim para que as borboletas venham te visitar, nunca fez tanto sentido como hoje.

2 comentários:

  1. Nossa que texto liindo, eu tb ja cansei de todas essas redes (in)sociais ;D
    Parabéns, vc escreve muuuuito bem ^^, e aqui é tudo tão lindo *-*
    AMEEI
    Beeeijos ;*

    ResponderExcluir
  2. Sempre me divirto com o teu blog, gordinha!
    Comecei um com uma amiga, pra falar dessas coisinhas que a gente quase nem gosta: maquiagem, moda e etc! haha
    Depois olha lá!

    saudades!

    ResponderExcluir